sexta-feira, 8 de junho de 2018

E a família, como vai?

"Corre-lhe ao encontro e pergunta-lhe: Vais bem? Vai bem teu marido? Vai bem teu filho? Ela respondeu: Vai bem.

2º Reis 4:26, Bíblia Sagrada

Venerada desde os primórdios das antigas civilizações, que dedicaram-se a formar seu contexto social baseado em costumes e tradições originados desta que é a célula-mãe da vida em comum, a família é a base de qualquer sociedade. É no aconchego do lar que recebemos as primeiras manifestações de afeto, orientações para formação de nosso caráter e desenvolvimento da nossa relação com o próximo.

A família é o melhor modelo de interatividade das relações humanas, e como tal, não está livre de conflitos. Problemas de diversas naturezas acontecem nas melhores famílias; e é neste ambiente comunitário que aprende-se a dirimir questões, solucionar impasses e seguir acolhidos pela sua fraternidade peculiar. De fato não existem pessoas impecáveis e por consequência não haverá famílias perfeitas, por isso nos complementamos a medida em que aprendemos a conviver com as diferenças. Observar os preceitos e orientações divinas como a fidelidade no matrimônio, cuidado com o cônjuge, obediência aos pais, não provocação de ira nos filhos, dentre outros ligados aos princípios de amor e respeito, trazem harmonia a vida doméstica. 

Família é mesmo uma instituição atemporal, mas que tem sofrido com as mudanças propostas pelo tempo. Não é de admirar que o número de divórcios cresce a cada ano, muitas relações são do tipo descartáveis, e o sexo tem se tornado algo banal numa entrega deprimente dos corpos sem expressão de sentimento. As tradições familiares também estão sendo ameaçadas pela pós-modernidade. Mesmo o ato mais simples de todos comerem juntos ao redor de uma mesa tem se tornado insignificante. Com o pensamento e a informação em ritmo acelerado, os diversos meios comunicativos existentes após o advento da web, entram em colapso com a comunicação tradicional em família que educa para a vida. Ostentação, capitalismo exacerbado, são manifestações do amor ao dinheiro em substituição aos valores impagáveis proporcionados pela vida familiar. Os resultados são tristes e causam impactos negativos em toda sociedade, inspirando cuidados a nossa instituição maternal. 

Sejamos zelosos do bem e do amor fraterno. Dispensemos a família a atenção que lhe é devida. Inclinemos o nosso coração a refletir e orar a Deus para que sua misericórdia nos alcance e abençoe nossos lares.

Imagem: Google imagens

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Licença Creative Commons
O trabalho Na Jornada pela Vida de Marcus Bittencourt foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em www.marcusbittencourt.com.